Arqueologia

Está aqui

(O Decreto-Lei n.º 109/2013 de 1 de Agosto altera o Decreto Regulamentar n.º 31/2012, de 13 de Março, transferindo para a DGAV as competências relativas ao espólio de caráter arqueológico.)

 

Circuito Arqueológico do Reguengo (a aguardar museolização) 

Evidência da ocupação humana no Arneiro à mais de 7000 anos.

Continuamente ocupada, remonta a mais de sete mil anos a presença humana na Tapada do Arneiro, sendo por isso considerada um Complexo Arqueológico, em fase de estudo e exploração. Fruto de um acordo com a Área de Arqueologia da Universidade de Évora, foram já efectuados os primeiros estudos e escavações que revelaram um potencial arqueológico de elevada importância. Reconhece-se na Tapada da Coudelaria um denso conjunto de arqueossítios de diferentes períodos, com especial predominância para o Neolítico, Calcolítico, Alto medieval e Moderno. De entre estes destacam-se, pelo número e arquitectura, os testemunhos megalíticos.

Até ao momento foram já identificados diversos dólmenes, vários habitats e um santuário pré-históricos, sepulturas antropomórficas e estruturas de habitat e religiosas medievais. Dos conjuntos artefactuais destacam-se os instrumentos de corte em pedra polida e os recipientes de cerâmica.

A continuação do estudo arqueológico permite cumprir, a médio prazo, a ambição de colocar a Coudelaria Alter Real nos itinerários históricos de amadores e investigadores.

Theme by Danetsoft and Danang Probo Sayekti inspired by Maksimer